LIVE - Educação popular: arte, cultura e cidadania

Informações

Começa em: 19/10/2021 as 19:30:00
Termina em: 19/10/2021
Carga Horária: 2 horas
Público Alvo: Artistas Independentes, Coletivos, Comunidade, Educadores/Professores
Área: Cidadania e Território, Direitos Humanos, Educação
Projeto: Usina dos Atos
Gratuito

Para a Usina dos Atos o lugar da juventude é onde ela possa se expressar, onde possa ser protagonista e autônoma nas construções da sociedade que deseja para o futuro. É por meio de projetos como o 1ª CENA, que cria espaços de diálogo e desenvolvimento do pensamento crítico, que muitos jovens das nossas quebradas encontram, entre tantos outros que podem ocupar, um lugar para vivenciar suas subjetividades. Foi através desta iniciativa, que a Usina encontrou uma forma de contribuir e fomentar a formação de uma cidadania ativa e crítica. Devido a pandemia, foi necessário adaptar diversas ações para o ambiente online e outras foram suprimidas pela impossibilidade do presencial. Após dois anos sem realizar nenhuma edição do 1ª CENA, conseguimos criar uma EDIÇÃO ESPECIAL, com diversas atividades online, para todos os públicos. 

Uma destas atividades, será uma LIVE no próximo dia 19/10 para comemorar os 12 anos da Usina dos Atos e os 10 anos do projeto 1ª CENA. Esta ação retoma de forma remota, o CONEXÃO 1ª CENA. 

SOBRE O CONEXÃO 1ª CENA 

É uma atividade complementar à formação do 1ª CENA, que através de rodas de conversa, ao longo de sua existência, procurou trazer pontos de vista e vivências de determinadas temáticas, que dialogassem com o cotidiano e assuntos de interesse dos educandos. 

Em tempos tão sombrios, ter a cultura, a educação e o afeto como ferramentas de resistência é algo fundamental. Por isso, o tema da nossa LIVE será: Educação popular: arte, cultura e cidadania com convidades muito especiais. 

 

 

Anabela Gonçalves, 40 anos, mãe, negra indígena, Socióloga formada pela FESPSP, com extensão em estudos da Genealogia do gênero - PUC -SP. Com experiência em gerência de projetos, planejamento e acompanhamento de equipe de ação e educadora. Atua como presidenta da organização social Bloco do Beco, colunista do Desenrola E Não Me Enrola mídia digital de quebrada. Tem 20 anos como ativista na Periferia Sul com ações na área de gênero, política e cultura, em coletivos como KATU de educação, FalaGuerreira e Periferia Segue Sangrando.

Débora Dias tem 23 anos, jovem negra, lésbica e moradora da Zona Leste. É estudante de Ciências Sociais na UNIFESP onde integra o grupo de estudos Laroyê que pesquisa culturas infantis e pedagogias descolonizadoras. Foi orientadora sócio educativa em serviço da proteção básica CCA. É educadora popular e militante do Núcleo UNEafro Brasil Ilda Martins na Fazenda da Juta. Também é artista e pesquisadora da Coletiva Emana que constrói arte e ações educativas baseadas no feminismo interseccional em Sapopemba. Integra o Conselho Consultivo da Casa Sueli Carneiro. E é Co-Vereadora da Mandata Coletiva QUILOMBO PERIFÉRICO na Câmara municipal de São Paulo

Verônica Borges, é percussionista, cantora e educadora. Regente da bateria do Bloco Pagu desde 2019, é integrante do Bloco Cultural União Altaneira e da Bateria Alcalina (Campinas-SP) como ritmista desde 2006; em 2009, ingressou no Bloco Unidos Venceremos como ritmista, onde atualmente integra a ala musical. É ritmista da bateria do G.R.C.E.S. Nenê de Vila Matilde (2007-2017). É surdista do Conjunto Picafumo, acompanhando o sambista e compositor da velha guarda paulista Toinho Melodia, com quem gravou o disco “Paulibucano”; do Conjunto João Rubinato, que pesquisa vida e obra de Adoniran Barbosa, com o qual atuou como percussionista, cantora e produtora executiva do disco-livro “Adoniran em Partitura: 12 canções inéditas”, lançado em 2017. Já tocou ao lado de grandes nomes do samba como Osvaldinho da Cuíca, Seo Carlão do Peruche, Leci Brandão, Eduardo Gudin, Carlinhos Vergueiro e Tantinho da Mangueira. Ministra oficinas de percussão e batucada de samba; nessa área, foi palestrante e oficineira em Sescs e unidades da Fundação Casa. Graduada em Sociologia e Antropologia pela Unicamp, é pós graduanda em Percussão Brasileira pela Faculdade Santa Marcelina (FASM) e pesquisadora do Laboratório de Percussão e Rítmica (LAPER) da UFPB.

Paulo Reis, Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais, Mestre em Ciências Humanas e Sociais e Especialista em Gestão de Projetos e Programas Sociais. Mais de 9 anos de experiência com Educação e mais de 5 anos de experiência em Projetos Sociais, Responsabilidade Social, Formação de Professores, Orientação Pedagógica, Cooperativismo, Educação Popular e Voluntariado.

Leo Cicero, Artista cênico, formade em licenciatura e bacharelado em Teatro. Atua na direção e dramaturgia de espetáculos como ‘Periferia Esperança’, e desde 2016 como arte-educadore no Instituto Usina dos Atos. Trabalha observando e experienciando as possibilidades das práticas teatrais e artísticas no cruzamento de processos socioeducativos, assim como na criação de obras que dialoguem com a desestrutura de espaços e formatos convencionais.

 

ATENÇÃO | todas as lives serão transmitidas pelo nosso canal no YouTube e por isso, não será necessária inscrição prévia! 

Pesquise sobre o assunto desejado no Portal Usina dos Atos!